Tocantins, 23 de maio de 2022 - Mira Jornal - 00:00

Policia

Em desdobramento da operação que desmontou laboratório clandestino em Palmas, Polícia Civil localiza descarte irregular de material genético

12/05/2022 09h28

Foto: Dicom SSP-TO Polícia suspeita que o material encontrado na rua seja do mesmo laboratório de Palmas.
 Amostras foram encontradas no meio da rua

Após investigação da Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), apontar que laboratório clandestino armazenava de forma irregular material genético humano em Palmas, denúncias anônimas levaram a polícia, desta vez em Araguaína, a localizar descarte de material similar em uma das ruas do município no início da noite desta quarta, 11.

A suspeita é de que o grupo, que também mantinha laboratório na referida cidade, seja o responsável por jogar o lixo em uma calçada do bairro centro.

O delegado Romeu Fernandes de Carvalho Filho, responsável pela 3ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (3ª Deic) de Araguaína, explica que o material é aparentemente proveniente de resíduos humanos, e que a perícia foi acionada para realizar a análise. “Encontramos uma quantidade considerável desse material e amanha pela manha, adotaremos as diligências para realizar a coleta e o descarte adequado, tendo em vista a ausência de EPIs e veículos adequados, bem como de equipes plantonistas da Vigilância Sanitária e SEDEMA disponíveis.", destacou.

Operação Nablus

A operação Nablus foi deflagrada em Palmas na manhã desta quarta-feira, 11, e que deu cumprimento a 15 mandados de busca e apreensão. Entre os materiais encontrados em um laboratório clandestino, localizado no centro da capital, estavam pedaços de corpos humanos que eram irregularmente armazenados potes de sorvete, margarina e até de creme capilar.

O local foi descoberto pela Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por meio da 1ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (1ªDeic-Palmas) com apoio da Diretoria de Repressão ao Crime Organizado (Dracco). De acordo com as investigações, os suspeitos faziam a abertura de empresas em nome de testas de ferro se passando por pessoas jurídicas. Os diversos laboratórios de fachada só existiam no papel realizavam para o repasse de pagamentos, mas os serviços não eram prestados.

Nenhum deles possuía licença ou alvará por parte do poder público municipal e estadual. Além do armazenamento irregular a polícia também suspeita de que, laudos possam ter sido fraudados, e os exames possam ter resultados imprecisos, tendo em vista as condições precárias em que se encontravam as amostras.
Ascom SSP TO

   

Comentários (0)

  • Nenhum comentário publicado. Clique aqui para comentar.

Mais vídeosVideo Mira

Retrato da política nacional - Mas... O pulso ainda pulsa

Comente

  • jose professor
    20/04/22 07h39
    Não é justo e nem coerente que a falta de um ACORDO que atenda ambas as partes envolvidas impeça o desenvolvimento de...
  • Jose Professor
    05/04/22 08h16
    E a BRK com a obra de instalação do ESGOTO SANITÁRIO? Tudo parado e ninguém fala nada? O que está acontecendo?
  • jose professor
    13/02/22 08h04
    Ouço a boca miúda que a Prefeitura de Miracema quer exigir "comprovante de vacina" para que se frequente as...
VER TODOS OS COMENTÁRIOS

Jornal Impresso

Em Breve
2010 c Mira Jornal. Todos os direitos reservados.